sexta-feira, 9 de junho de 2006

Dramas

Dramático/Extraordinário (o momento que o país vive)
Ontem,o sr. primeiro ministro esteve no Telejornal a explicar-se perante a onda de descontentamento que tem varrido a sociedade cabo-verdiana,depois do anúncio dos aumentos dos preços, da previsão do aumento salarial e também devido á situação da Electra.
Como sempre,José Maria Neves falou bonito, esbanjou charme e explicou por A+B porque que o aumento não pode ser superior aos 3% já anunciados. E até conseguiu explicação para a renovada frota de Prados dos ministérios e direcções gerais.
No que toca á Electra, o primeiro ministro fez cara de zangado e explicou que tinham alugado o tal gerador por seis meses para dar tempo á Electra de resolver os problemas e que agora, findo os seis meses e visto que a Electra não resolveu os problemas,estão a estudar os meios jurídicos de se livrarem dessa batata quente, uma vez que existe um contrato entre o Governo e a Electra.
Eu me pergunto: mas porquê que só agora se começam a estudar as saídas jurídicas para o imbróglio Electra/Governo?! Porquê que durante os seis meses de prazo dados á Electra-em que a cidade da Praia aguentou-se com um gerador alugado- eles não foram já estudando saídas para quando chegasse a hora e a Electra não cumprisse (como já é hábito) se passasse já à acção,em vez de perder mais tempo a estudar formas de dar um chuto na Electra?
Isto é, estou a pôr as coisas em seis meses mas isto já se arrasta há muito mais tempo. Já era hora de haver um plano limpinho e bonitinho em cima da mesa para resolver de uma vez por todas esta situação vergonhosa.


E entretanto...(escapa-se uma discussão pertinente)
Continua no Asemanaonline, a polémica em volta da entrevista de Abrãao Vicente a este jornal online. Tudo porque o jovem pintor/fotógrafo/apresentador declarou que: "Temos bons artistas/executantes, mas ainda não temos de um modo generalizado um pensamento para a arte, uma cultura de consumo material e simbólico de obras de arte. Não pode haver um verdadeiro campo artístico sem um dialogo frutífero entre a comunidade artística e um público. A nossa classe alta, quer a intelectual quer a económica é quase totalmente destituída de cultura artística. Os nossos intelectuais são de uma maneira geral bastante bairristas e limitados, os caboverdianos devem ter uma aspiração mais universal. "
Penso que não interessa discutir a personalidade de Abrãao Vicente. Gostar ou não gostar dele é irrelevante para a discussão pertinente que se podia ter gerado. Mas em vez disso...
Detendo-me nessa sua afirmação, pensando e reflectindo, eu concordo com o que Abrãao disse. Concordo e muito.

9 comentários:

Pura eu disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
Pura eu disse...

Que bloco é esse!? Eu quero sabeeer...." Lembrei dessa música do Ile Aye quando assisti ao primeiro bloco do nosso telejornal ontem à noite. Fiquei muito chocada, e já faço contas à vida, diante de tantas subidas de preço.

Junho 09, 2006

Comandante Alien disse...

eu não tou por por dentro do assunto porque não vejo o tal programa ( e nem conheço o trabalho do Abrão Vicente)... mas achei um pouco prepotente( sem ofensa) a maneira como ele justificou a dita afirmação, mesmo sabendo que em Cabo verde ha um monopolio cultural evidente por parte de certas vacas(e bois tb) sagradas, acho que não é o caminho certo a seguir , dizendo certas coisas como "não temos de um modo generalizado um pensamento para a arte, uma cultura de consumo material e simbólico de obras de arte" ... acho um pouco confuso, e paradoxal... se ele se considera como um artista contemporaneo, ou se é considerado por outros como tal, não me importa , acho que ele fez a escolha certa de palavras para se justificar, e que sendo assim ele esta seguindo o mesmo caminho de todos os outros, o elitismo, que é um dos grandes cancros da nossa cultura e um das causas da não generalização da mesma..."nem tudo o que brilha é ouro, mas também a luzes que brilham no escuro"( complicado?)

Emanuelle disse...

É realmente muito triste. Mas se quer distrair um pouco me prestigie. um beijinho.

Kamia aka Chissana Magalhães disse...

Alien, realmente fiquei sem saber se concordas ou não com isso que o abrãao disse.
Eu não mencionei o trabalho do Abrãao como artista (se tem valor ou não), nem a personaçidade do Abrãao (se é arrogante ou não). Interessava-me discutir aquela ideia.E repito que concordo com ela.É uma pena quue com tantos e bons artistas que nós temos ( e não estou a falar só de artistas plásticos)as suas obras são pouco "consumidas" pelos cabo-verdianos. Nós os cabo-verdianos (e não estou a falar das 50/100 pessoas que o fazem)não temos o hábito de adquirir obras de artes, pagar para visitar exposições ou comprar quadros, comprar livros sem ser em feiras do livro, apreciar um filme sem ser pelo mero entretenimento...é isso que eu penso que ele quis dizer.
E também penso que falta o diálogo entre a comunidade artistica e o público, mas epelo menos já começa a haver um diálogo entre os próprios artistas.
Quanto ao bairrismo, é o mais óbvio. Existe sim esse bairrismo na classe intelectual e até artistica e isso só limita e prejudica.E é por isso que não partimos para esta aspiração universal.

Comandante Alien disse...

Concordo contigo, no fundo , mas não concordo com o Abrão na forma...por vezes não escolhemos o melhor caminho para expressar as nossas ideais e no meu ponto de vista foi aì o erro dele(ou não, depende da finalidade das suas palavras)...Mas acho que antes do caboverdiano começar a comprar obras de arte (livros , e ir ao cinema tb), faz falta uma educação artistica, que deveria ser facultada por artistas( ou os que se denominam artistas, duas coisas diferentes),tornando a abordagem das suas obras mais facil pelo publico, a desacrelização da dita elite cultural(quem são eles???), enfim um trabalho de fundo que todos nôs sabemos esta longe de acontecer na nossa terra...

Anónimo disse...

Ë por isso que se está a vender gato por lebre na arte que se faz em Cabo Verde. Por este andar ainda väo fazer um busto a algum artista que consiga um bom embuste.

Sistina Freire disse...

é bom saber que por aqui é tudo gente inteligente aos quais não lhes interessam discutir ideias. Kamia tua ideia foi boa, motivar a troca de ideias! Esse Abrao (nao o conheço sob nenhuma forma solida,liquida ou gazoza)deve ter causado muitos traumas a todos para se insistir tanto em falar no gajo!Quem o moço!

pdrogon@yahoo.com disse...

Muita calma, silencio, tudo vai bem, nao se esquenta nao, nada é real, nada é importante, diga nada nao, melhor nao comentar, podem pensar que se é eltista, comunista, reacionário ou uma outra coisa qualquer nojenta, diga nada nao.Diz que sim, acena que sim, nunca te esqueças que por aqui todo o mundo é especialista em qualquer coisa, especialmente se for no tema em que voce vai falar!Se arrependa rapaz, diz que voce errou, foi engano foi, que estava errado, diga diga diga diga, aqui ninguéem quer saber de ideias "novas", vai vender seu peixe pra outra área vai, venha se arrependa rapaz, porrraa fala minino, fala nao, entao a gente vai te chingar, te atropelar, te maltratar, te esfolar, fala porraaa, vai falar não??? vai apanhar garoto... tem opinião não???