sexta-feira, 23 de junho de 2006

SÃO JOÃO

Há uns dias atrás festejou-se Santo António. Na minha rua, que se chama Rua Nhu Santo António, houve festa rija. Não na terça - feira, dia 13 (que foi o dia do santo) mas a partir da sexta dia 16, à noite.
No sábado fez-se um grande banquete ao almoço, com convidados "vipes" e tudo ( o Presidente da Républica himself, esteve lá). Vieram também batucadeiras que sentaram-se no terreiro em frente à casa da anfitriã e fincaram batuku. Cantaram, dançaram e lá iam molhando a garganta com cerveja, já que o calor era grande.
A minha vizinha, organiza esta festa todos os anos. Diz que é uma tradição da familia iniciada pela sua avó e que já dura há oitenta anos.
Mas isso foi Santo António. Amanhã festeja-se São João Baptista, este sim é o meu santo. Não que eu seja devota (outros tempos, agora sou uma pecadora), mas é o meu santo católico favorito e ainda por cima sincretismo de Xangô (aquele que derrotou Ogum para ficar com Yansã, ah saudades de Jorge Amado!).
As festas de São João sempre fizeram parte da minha vida. Na Boa Vista, na zona de onde é a minha mãe e onde eu ia passar as minhas férias de infãncia e adolescência, o santo padroeiro é São João e festeja-se com todos os rituais religiosos e profanos. Vivi parte da minha adolescência no bairro da Várzea onde também era São João o santo padroeiro. A procissão, o rufar dos tambores, a quermese e á noite os bailes.
Por fim, vivi anos em Braga, Portugal, terra onde o santo padroeiro é...São João. Em Braga, e no vizinho Porto, São João foi para mim, as enchentes nas ruas, a distribuir marteladas na cabeça (martelos de plástico, hein), a meter alho porro debaixo do nariz dos menos prevenidos, os manjericos com versinhos para oferecer e as feiras de diversão com as suas monmtanhas russas, roda gigante, carrinhos de choque. Era bem divertido, mas chegavamos em casa de madrugada com os pés moídos.
Mas a minha perferencia por São João, vai para além das festas e romarias. É também uma das personagens biblicas quem mais me fascinam. Talvez seja por causa da humildade associada á rebeldia e coragem.
"Monti di gentis ta baba pa Juon batiza-s. Y Juon ta flaba pa tudu algen y sobritudu pa kes ki ka ta pensaba dretu: " Nhos é mau sima fidjus di kóbra venenozu. N ta dimira módi ki nhos ta pensa ma nhos pode skapa di kastigu ki sta pa ben, ku finjimentu. Primeru nhos ten ki mostra ku kuzas ki nhos ta faze ma nhos ten kurason y vida mudadu, y ka nhos fla pa nhos mé: "Déus ka ta kastiga-nu. Nos é justu pamódi nos é disendentis di Abron". N ta fla nhos ma ti des pédras li Déus pode faze fidjus di Abron."
"Y povu, pamódi es sa ta speraba Misias, es kumesa ta kuda na ses kabésa ma Juon Batista éra Kristu. Má Juon Batista fla tudu es: " Ami, n ta batiza nhos sô ku agu. Má kel ki sta pa ben, E ten más puder ki mi, y ami N kas merese nen ser kel skrabu ki ta dismara kórda di sandalha di se sinhor.""
in Notísia Sabi di Jizus, capitulo 3, versículos 7 e 15. Tradução do Evangelho de São Lucas pela Kumison Kabuverdianu Pa Traduson di Bíblia.(Março de 2004)

1 comentário:

Armando Moreira disse...

Interessante espaço e uma forma arejada de pegar nos assunto...gostei de aqui estar volto se não te importares...

Armando Moreira