quinta-feira, 15 de dezembro de 2005

VIAGENS NO AUTOCARRO 10

Volta e meia regresso ao Autocarro 10. Parece que é o meu "assunto" favorito. Para quem não sabe do que estou a falar veja no arquivo os posts Autocarro 10: Calabaceira/Palmarejo (Abril) e Debate no Autocarro 10 (Outubro).
Dizia eu que, o Autocarro 10 parece ter ganho um lugar cativo no meu blog. A verdade é que, as viagens no dito autocarro dariam matéria para milhentas crónicas ao mais desinspirado escriba. Já tinha aqui comentado as surpreendentes "saudades" que sinto destas viagens desde que o escritório contratou serviços privados de transporte para os funcionários. Mas afinal, uma vez por outra, quando me vejo obrigada a fazer serão no escritório em vez de ir para as aulas, o regresso á casa se faz pelo Autocarro 10 (que é o único que sai do Palmarejo e passa pela minha zona). E estas viagens nunca são a mesma coisa.

A viagem ideal no Autocarro é quando ele vai quase vazio, o radio está desligado, o motorista não tem nenhum incêndio para apagar e por isso posso ir com o meu livro da ocasião aberto no colo a ler.Ou então vou vendo o caminho por onde passo. O engraçado é que, apesar de ser sempre o mesmo percurso, há sempre coisas diferentes para ver. Um céu de fim de tarde que hoje está cor-de rosa e amanhã alaranjado; um cão preto a brincar com um cão branco que me faz pensar num dos meus filmes preferidos (Gato Preto/ Gato Branco de Emir Kusturica); o mar visto da marginal, um dia com um bote ao longe no outro um barco de carga grande demais para acostar ao cais.
Mas a maior parte das viages no Autocarro são: música ( quase sempre deca ou choradeira sertaneja) em alto volume, conversas entre passageiros (que quase sempre acabaram de se conhecer) em alto volume, mais passageiros no autocarro do que o permitido, passageiros que atiram lixo pela janela (o esforço que eu faço para me conter e não mandar uma boca ao(s) prevaricador(es) !), motoristas (tão empenhados em ganhar mais um cumbú* para os patrões, que ele são!) que param fora das paragens para deixar entrar mais gente e não param na paragem para deixar descer, a não ser que o passageiro grite bem alto para ele parar ( os nossos autocarros não têm botão para pedir paragem, se tivessem já estariam estragados, claro) entre outras coisas mais. Nos dias em que estou realmente cansada e sem paciência, este tipo de viagem só me stressa mais. Mas se estou bem disposta, faço a viagem de espírito aberto. Observando tudo com atenção e sem preconceitos, tentando compreeder as pessoas menos superficialmente, ouvindo o que elas dizem pois, muitas vezes, o Autocarro é um espaço social onde as passoas manifestam publicamente aquilo que pensam do que vai acontecendo neste nosso país, entre outras coisas.

Depois existem as viagens realmente infernais: o Autocarro a rebentar pelas costuras, musica em volume especial "detonação de tímpanos", motorista surdo e candidato a record de velocidade, passageiros ao berros ( a reclamar do motorista, com razão), cheiros que não são propriamente o Boss in Moction ou Flower by Kenzo...É aí que eu desisto, desço na paragem mais próxima e meto-me num taxi (ou vou mesmo a pé, arriscando um caçu bodi**) porque, por mais que uma pessoa queira cultivar a simplicidade, contribuir para o meio ambiente e principalmente fazer economia...não há condições!


* Dinheiro (calão angolano).
** Assalto (calão cabo-verdiano).



(Páragrafo totalmente á parte e descontextualizado dos anteriores): Alguem reparou e contou quantas reportagens com o nosso primeiro ministro José Maria Neves passaram ontem no Telejornal?!? Eu perdi a conta na nº cinco...Como é que se chama a isto? Ai, como é mesmo? Está-me na ponta da língua...

7 comentários:

penso rápido disse...

Foi uma boa surpresa descobrir o meu blogue linkado por essas bandas: foste o meu primeiro (e até agora único, acho)link internacional!

Entretanto, parece que os Telejornais estatais não variam muito :-)

Um bom dia e, pelo teu profile, um bom estudo.

Gafanhotu disse...

de facto é so visto, tenho que te mandar uma foto para publicares, é um escandalo ver com é que não se respeita a vida humana nesta terra.
beijos!

Kamia aka Chissana Magalhães disse...

O Penso Rápido no meu blog!!! Ena, ena...obrigada pela visita e pelos votos. E volta sempre.

Gafanhotu, a foto tem a ver com o que escrevi sobre o Autocarro? Fiquei curiosa. Manda-ma para o mail,pode ser?

Rosario Andrade disse...

Bom dia!
As tuas aventuras são divertidissimas (ainda que para ti por vezes não devem ter piada nenhuma!...). Mas rir é sempre o melhor remédio.
Vou linkar-te no I&I logo que actualize os links, OK?

Um bom Domingo!!!!
Abracicos!

Rosario Andrade disse...

Bom dia!
As tuas aventuras são divertidissimas (ainda que para ti por vezes não devem ter piada nenhuma!...). Mas rir é sempre o melhor remédio.
Vou linkar-te no I&I logo que actualize os links, OK?

Um bom Domingo!!!!
Abracicos!

Kamia aka Chissana Magalhães disse...

Olha, na hora realmente não acho muita piada á situação. Mas depois até me rio. Ontem por exemplo passei por uma...um dia destes conto aqui.

Anónimo disse...

Kamia, vc deveria comprar um carro, mas isso também seria motivo para mais uma implicância, desta vez com a Câmara Muncipal pelos buracos que existem nas nossas estradas. Calma o nosso país está em desenvolvimento, não é xingando que o processo vai acelerar.