segunda-feira, 18 de setembro de 2006

Ainda os mails dos amigos

Vi-te na Revista. Sempre de cara feia para a foto. Ainda não gostas de ser fotografada?
Outra coisa: prepara-te. Agora tens uma certa notariedade. Já sabes que isso quer dizer que vai começar a aparecer gente com fastio de ti, a chamar-te nomes e a dizer quem é essa agora? Pior: algumas destas pessoas poderão ser pessoas que antes gostavam de ti.

Isto é o excerto de um mail que recebi de um amigo meu. Ainda não lhe respondi porque ainda estou a pensar em que resposta isto merece.
Exagero. É tudo um exagero. Notariedade?! Bah! E também não posso crer que haja gente que deteste outra por tão pouco. Principalmente se antes gostavam.
De qualquer maneira eu concordei com aquela famosa afirmação de Abrão Vicente, não concordei? Isto quando a polémica já rolava solta. Daí pode-se concluir que eu não tenho medo que me detestem. Se tivesse, este seria um blog bem-comportado e politicamente correcto.

2 comentários:

jotae57 disse...

Como tratar-te? Kamia? Ok. A propósito do comentário deste amigo teu, vem-me à memória outro, do meu pai, quando, por motivos que agora não interessam, caí na desgraça de ter algo dessa tal notoriedade. Esta, continuo a crer, era para o bem. As reacções... longe disso. Na altura o meu pai, do alto dos seus cabelos brancos, citou-me um provérbio (chinês, disse ele, mas também isso é irrelevante, pois a mensagem bem se aplica às nossas ilhas): "Ninguém atira pedras às árvores que não dão frutos". Se bem que a ideia fosse consolar-me, pensei no irónico da "mania", algo masoquista, de querer frutificar.
Isto, Kamia, não é um elogio mas apenas um comentário solidário. É que (desculpa-me a franquesa) não sei, sequer, se nos conhecemos e não sei de que notoriedade se está aqui a falar. Por isso podes acreditar que é absolutamente isento de segundas intenções quando te digo que, se a tua notoriedade é para o bem, então... alimenta-nos com todos os frutos que possas produzir.

Kamia aka Chissana Magalhães disse...

Obrigada pelo teu comment (não tenho nada que desculpar a tua franquesa, eplo contrario).
Acredite não há essa "noteriedade" toda, isso é exagero do meu amigo, por isso creio estar por agora livre das pedras.
Entretanto estive a pensar no assunto e cheguei á conclusão que isso relamente acontece: ás vezes as pessoas "atiram pedras" a outras pelo simples facto delas estarem expostas. Não pelo que fazem ou deixam de fazer, mas porque "aparecem".
Eu hein...